Visualizações de páginas/visitas.

This is default featured post 1 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

This is default featured post 2 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

This is default featured post 3 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

This is default featured post 4 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

This is default featured post 5 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Atire a primeira pedra quem nunca tomou uma decisão por impulso!

Se for difícil lembrar-se de uma decisão que tomou por impulso, volte a sua adolescência. Quantas vezes acelerou o carro mais do que deveria ou bebeu um pouco além da conta e tomou a corajosa decisão de ligar para aquela pessoa que já tinha rompido o relacionamento? Quantas vezes não tomamos decisões precipitadas e nos arrependemos depois? E o pior não é a ação em si, mas a consequência dela. Quanto tempo se perde para corrigir o trajeto? Se é que conseguimos, não é mesmo? E como líder? Quantas decisões por impulso você já tomou e como fez para corrigi-las? 

Lembro de uma ocasião há alguns anos atrás, onde trabalhava com uma líder que só me ensinou “ingerências”, aliás, essa palavra “aprendi” com ela. Segundo a definição da minha gestora naquela época, isso queria dizer: “tudo que não se deve fazer em liderança”. Foram quase dois anos aprendendo diariamente vendo suas atitudes e o que eu não devia fazer quando me tornasse uma líder. Em uma determinada manhã, tínhamos que decidir quem iria gerenciar um projeto importante que tínhamos acabado de fechar. Por favoritismo escolheu a pessoa que mais gostava, mas que não tinha condições de abraçar o projeto. Não por incompetência (apesar de não ser a mais competente das pessoas que já conheci), mas por já estar envolvida em outros projetos que a impossibilitariam de dar a atenção devida ao cliente. Para resumir, o resultado foi catastrófico, a empresa reclamou, achou que não dedicamos o tempo necessário a eles e que não cumprimos o prazo. Como resultado de uma ação impulsiva e por falta de planejamento criterioso do processo e de quem poderia assumi-lo, colocou nossa empresa em risco. A equipe tentou alertá-la, mas não quis escutar ninguém e a estava na cultura de que deveríamos fazer rápido, mas esqueceu de perceber que rapidez não é garantia de eficiência.

 A lição que tiramos nestes casos é que para algumas decisões a pressa é realmente inimiga. Nem sempre a agilidade é sinônimo de eficácia. Costumo dizer que : “há uma grande diferença entre movimento e direção”. Movimentar-se é mexer o corpo sem controle, é muito simples e qualquer animal pode fazer, mas direcionar as suas ações com foco em resultados e de forma estratégica, é uma ação que precisa ser pensada. Para que você possa trazer resultados melhores em 2014 pare de correr riscos desnecessários e de tomar decisões por impulso. Coloque nas suas metas: “esse ano vou planejar melhor minhas ações, trabalhando de forma mais inteligente, pensando no que faço e no porque faço.” 


Passos que podem ajudá-lo:


1) Avalie friamente quanto tempo tem para tomar a decisão;

2) Converse com as pessoas envolvidas e deixe claro para elas a importância de decidir de forma planejada; 

3) Defina quem pode ajudá-lo nesta decisão, evite “abraçar” tudo sozinho; 
4) Faça um Mini PDCA.


Não precisa ser um processo complicado, nem seguir exatamente essa sequencia, mas é fundamental que comece pelo planejamento, depois faça uma experimentação do processo, assim consegue programar e agir sobre ele fazendo os devidos reparos antes de implementá-lo definitivamente!

Na maior parte das vezes a pressa em tomar uma decisão é exatamente o que destrói suas chances de obter sucesso ou melhores resultados. O impulso é essencial para o sucesso, mas somente quando é usado na reta final, depois que a decisão foi tomada. Impulso serve para impulsionar, não para decidir!

Lembre-se de diferenciar movimento e direção. Primeiro planeje para onde vai e de que forma deve se movimentar, depois não perca nem mais um minuto e tome a decisão! Tenho certeza que desta forma terá mais sucesso e um ótimo começo de ano!

Artigo cedido por nossa parceira Ana Artigas.

(Psicóloga, pós-graduada em treinamento de RH e MBA executivo internacional com especialização em gestão empresarial pela FGV. Possui formação, treinamento e capacitação como consultora especializada Caliper em análise de perfil profissional pela Caliper Corporate, em Princeton, EUA. Desenvolve trabalhos de consultoria junto a médias e grandes empresas, oferecendo suporte em projetos de reestruturação organizacional, job rotation, gestão de desempenho, avaliações 360°, mapeamento de competências, entre outros.)


Imagem: Google imagem.

sexta-feira, 21 de março de 2014

Contratar e receber novos colaboradores.

Uma das práticas que sempre encontramos nas melhores empresas é o de contratar as pessoas certas e recebê-las como as mais importantes da organização. As melhores empresas não contratam simplesmente os melhores profissionais em termos técnicos pelo seu conhecimento; quem faz esse tipo de contratação são as organizações convencionais.


O profissional da área de Recursos Humanos é muito exigido dentro das empresas e o sucesso da empresa, está diretamente ligado a este profissional. Por isso o recrutamento é o mais cobrado dentro das empresas. Depois de contratar o colaborador é necessário recebê-lo e apresentá-lo aos demais colaboradores. Isso quase não acontece nas pequenas e médias empresas. Pois, contratam pouco e quase sempre recrutam profissionais de nível operacional. É ai que começa a grande diferença entre pequenas, médias e grandes empresas. 

As empresas pequenas e médias teem poucos colaboradores e os proprietários estão constantemente na empresa e as contratações são para cargos mais simples, onde não são muito exigidos e muitas vezes não precisam ter experiência. Por isso aquela cobrança é menor e os colaboradores e seus talentos acabam passando despercebidos.

As grandes empresas necessitam constantemente de colaboradores de nível operacional sim, mas, também recrutam profissionais de alto nível. Onde se exigem muita experiência, foco, determinação, produtividade e muitos lucros. Sendo assim este profissional que foi recrutado é recebido na empresa de uma forma totalmente diferente pelos seus colegas de trabalho. 

Assim começa o processo de apresentação; onde o colaborador é chamado e apresentado pessoalmente pelos profissionais da área de Recursos Humanos, é falado um pouco da sua vida profissional, de suas conquistas, quantas empresas trabalhou, o porquê mudou de empresa e quais são as suas metas e objetivos para empresa pela qual foi contratado agora.

Esta é a grande diferença entre pequenas, médias e grandes empresas. Não se pode crescer e se tornar uma multinacional agindo como uma microempresa. Não se consegue os mesmos resultados fazendo tudo diferente. 

Contratar é essencial para as empresas e receber bem seus novos colaboradores é crucial, no entanto, desde a hora em que a empresa determinou recrutar ela deve ser sensata e prudente; para não suceder em um desligamento precoce. Pois, mesmo que o candidato preencha a vaga não significa que ele vai se adaptar ao perfil e filosofia da organização. Empresas que não observam corretamente apenas preparam seus colaboradores para as grandes empresas.


Por Heverton Soares. (Artigo cedido por ele, parceiro do ADM ABRANGENTE.).


Blog:www.lidercoachgestao.wordpress.com



Imagem: Google imagem.

sexta-feira, 14 de março de 2014

Mudança: gerenciamento ou liderança?

Vários estudos apontam que mais de dois terços das iniciativas de mudança fracassam. Talvez seja por isso que os programas de gerenciamento de mudança venham perdendo popularidade nas empresas. Quantas vezes você se pegou, no último dia do ano, prometendo para si que no ano seguinte sua vida mudaria? Quantas vezes escutou do seu líder ou falou para a equipe que começariam um novo processo? E quantas vezes você fez a mudança ou foi um agente dela? O que funcionou? O que não funcionou? Qual a credibilidade que a palavra mudança tem para você?

Segundo John Kotter, professor de Liderança da Harvard Business School, gerenciar a mudança é, basicamente, mantê-la sob controle. Em outras palavras, assegurar-se de que as coisas sejam feitas dentro de determinados prazos, que se cumpram certos compromissos e promessas e evitar que o caos seja tão grande a ponto de se tornar incontrolável. Já liderar a mudança consiste em impulsionar o processo de transformação por meio de algum tipo de resultado interno que todos compreendam. Também significa fazer todo o esforço possível para que a mudança ocorra e seja eficaz.
A maioria das grandes mudanças é produto de 80% de liderança e 20% de gerenciamento. O autor afirma que o problema principal não é manter a mudança sob controle, mas sim impulsioná-la, de tal forma que quebre as resistências e derrube todas as barreiras que impeçam a adaptação da empresa à nova realidade. E é por isso que muitos dos processos de mudança acabam como começaram, ou seja, sem qualquer tipo de mudança sustentável em processos, comportamento ou desempenho. Outros, funcionam no início, mas se perdem rapidamente por falta de foco ou outras variáveis. Portanto, o grande desafio está em implementar um processo de mudança que seja eficaz e duradouro, e que altere a natureza da organização.

Portanto, comece marcando o dia de início das ações, comunique o senso de urgência e comece a mudar imediatamente! O senso comum diz que a mudança, basicamente, é boa, além de ser um processo contínuo que não acaba. Mesmo assim, todo projeto precisa pontuar um início, desenvolvimento e fim, mesmo que esse fim represente, no futuro, o início de uma outra mudança. Sem objetivos e sem etapas predefinidas, as ações não podem ser mensuradas e o conteúdo acaba se perdendo.
Lembre-se de que somos o que fazemos, mas somos, principalmente, o que fazemos para mudar o que somos.

Artigo cedido por nossa parceira Alessandra Assad.
(Diretora da AssimAssad Desenvolvimento Humano. Formada em Jornalismo, pós-graduada em Comunicação Audiovisual e MBA em Direção Estratégica, é professora no MBA de Gestão Comercial da Fundação Getulio Vargas, Consultora Senior do Instituto MVC, palestrante e autora do livro Atreva-se a Mudar! – Como praticar a melhor gestão de pessoas e processos.)


Fone: (41) 3311-1056 / (41) 9235 - 5764



Imagem: Google imagem.





domingo, 2 de março de 2014

As lições de uma Tartaruga.

Acredito que todos ou pelo menos a maioria, conhecem a estória da (Lebre e a Tartaruga). Onde a Lebre se gabava da sua velocidade e zombava da humilde Tartaruga por causa das suas pequeninas pernas e lentidão. No entanto, mesmo a Tartaruga sabendo de todas as suas limitações, desafiou a Lebre para uma corrida e a venceu.

O excesso de confiança da Lebre fez com que ela menosprezasse a Tartaruga ao ponto de descansar e dormir durante a corrida. Acreditando que se fosse ultrapassada pela concorrente era só correr novamente e logo estaria na sua frente de novo. Enquanto a Tartaruga, não se deixou abater em nenhum momento, mesmo quando viu a Lebre disparar na sua frente na largada, ela seguiu sua jornada sem se preocupar com o resultado alheio, apenas acreditando em si mesma e valorizando o que ela tinha de mais precioso... a persistência.

Persistência: Não desistir, continuar tentando e perseverando até conseguir o resultado almejado.

Ao contrário da Lebre que por excesso de confiança parou para descansar e dormiu, a Tartaruga continuou sem parar um só minuto... e no final, cruzou a linha de chegada primeiro que a Lebre.

A Tartaruga nos deixou as seguintes lições:

- Objetivo;

- Persistência;

- Paciência;

- Superação.

A Tartaruga mesmo conhecendo as suas limitações, desafiou a Lebre com o objetivo de vencê-la, não apenas de competir com ela, persistiu e continuou caminhando mesmo que bem devagar, teve paciência em saber esperar... e por último a superação. Onde ela venceu todos os obstáculos que estavam em seu caminho.

Quando a Tartaruga desafiou a Lebre, em nenhum momento ela se preocupou com o resultado alheio, com aquilo que a mesma já teria conseguido durante a sua vida ou em que parte da corrida a Lebre estava. Ela focou em si mesma e na sua persistência em continuar a sua jornada, e cruzar a linha de chegada.

Muitas vezes entraremos em uma empresa com muitos objetivos, mas, seremos surpreendidos com uma série de exigências, obstáculos e pessoas que já se sentem preparadas para o que der e vier, entretanto, não devemos olhar para o resultado alheio, o nosso foco dever estar sempre em nós mesmos e na nossa carreira, nosso sucesso, ou seja, na nossa realização profissional.

“Nunca despreze a si mesmo.”

“Reconheça o seu próprio valor.”

Por Heverton Soares. (Artigo cedido por ele, parceiro do ADM ABRANGENTE.).

Blog:www.lidercoachgestao.wordpress.com


Imagem: Google Imagem.

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Prêmio TOP BLOG BRASIL 2013.

Prezados(as) Leitores(as);

O ADM Abrangente, está no segundo Turno do Prêmio TOP BLOG Brasil 2013.

E venho convidar á você, que gosta do blog, curte os assuntos aqui publicados, para dar o seu voto. Pois assim possamos mais uma vez, ficar entre os 100 TOP BLOGS do BRASIL.

No ano de 2012, ganhamos esse prêmio, que você pode conferir no selo ao lado direito. Igual o que está abaixo.


Conto com o seu voto! Clique na imagem abaixo, ou na imagem que está no blog  a sua direita.


Desde já agradeço o seu voto!

Lumara Diniz.



terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Como Descobrir e Desenvolver Talentos.

Captar e desenvolver talentos estão entre os maiores desafios das organizações. Dentre as 10 principais perguntas que recebo de meus clientes, as principais são: “Como faço para recrutar, selecionar e treinar meus profissionais? E se treiná-los e perdê-los para a concorrência?”

Vamos falar um pouco sobre estas questões. O sucesso de cada projeto, de cada produto ou serviço sempre está relacionada às pessoas que os desenvolvem, criam ou lançam ao mercado de trabalho e a seus clientes.

A maioria das empresas sabe disso, mas nem sempre sabem onde encontrar a pessoa adequada para o perfil de sua organização ou para a vaga que está aberta. E quando encontram, não conseguem manter o profissional em potencial por mais tempo na empresa, por desconhecerem a melhor forme de desenvolvê-los. 

Quantas empresas já contrataram trabalhos de consultorias com foco em desenvolvimento de pessoas que não atenderam a sua demanda? Ou ainda gastaram fortunas em horas consultoria ou treinamentos sem nenhuma mudança significativa na organização? Talvez você já tenha vivido essa situação na sua empresa, mas antes de se desesperar vamos pensar em soluções para esses casos.


1º. Você sabe se o profissional que você acabou de contratar está realmente adequado ao perfil que procura?

2º. Será que os profissionais que enviou para o treinamento estão dispostos a isso e acreditam na sua empresa?

3º. Este profissional que já está com você há algum tempo, sem trazer muito resultado, acredita na missão da sua organização?

4º. Seja ele de área comercial ou não, sabe se sua equipe acredita no produto que vocês vendem? 
5º. Você sabe que treinar não é a única forma de desenvolver um profissional?

Um programa real e adequado de desenvolvimento só acontece integralmente se você descobrir qual é o potencial do profissional que trabalha com você e suas principais características. Qualquer pessoa, independente do cargo que ocupe, só conseguirá alcançar um alto desempenho se estiver preparado e adequado para a função que exerce, se o seu “estilo” estiver de acordo com a sua função. Por exemplo, você acha que a pessoa que contratou será um bom líder se não tiver “manejo” para trabalhar com uma equipe? 

Investir em pessoas é a forma mais adequada para te trazer lucro nos próximos meses ou anos. Nos Estados Unidos, já existe uma corrente em defesa da mensuração do capital intelectual, os profissionais passarão em pouco tempo a fazer parte da planilha de custo da empresa, farão parte do Capital Contábil Investido. Então, antes de sair por aí em busca de alguém que você não tem a menor idéia de quem seja, descreva quais são as características que pra você, para a sua empresa e para a vaga em questão, serão fundamentais. Liste o que é importante para o sucesso e para o desempenho adequado da função que está em jogo, desenhe a descrição da função (se ainda não o tiver) e em seguida o perfil da vaga.

Depois, treinar e desenvolver é a fórmula perfeita de enriquecer o seu patrimônio. Acreditar que a sua equipe é realmente o seu capital intelectual e financeiro, é a melhor forma de obter qualquer recurso. As habilidades e competências, ou seja, as características de cada um devem ser aprimoradas constantemente.

O Coaching, ou outros programas sérios de capacitação e desenvolvimento são excelentes ferramentas para levar a sua empresa às mudanças que quer atingir – e nada melhor do que um começo de ano para iniciar aos poucos as grandes transformações. 

Antes de criticar as consultorias sérias, que podem ajudá-lo, lembre-se que é sua a responsabilidade de criar na empresa espaço a novas ferramentas que ajudem a equipe e o desenvolvimento de cada profissional.

Para que a sua empresa tenha sucesso, preocupe-se não apenas como deve fazer para captar bons profissionais, mas também com a satisfação dos que permanecem na organização. E apostar no desenvolvimento incessante da sua equipe é o melhor caminho para obter o nível de desempenho desejado para você e para sua empresa. 

Boa sorte! Estarei sempre com você!


Artigo cedido por nossa parceira Ana Artigas 

(Psicóloga, pós-graduada em treinamento de RH e MBA executivo internacional com especialização em gestão empresarial pela FGV. Possui formação, treinamento e capacitação como consultora especializada Caliper em análise de perfil profissional pela Caliper Corporate, em Princeton, EUA. Desenvolve trabalhos de consultoria junto a médias e grandes empresas, oferecendo suporte em projetos de reestruturação organizacional, job rotation, gestão de desempenho, avaliações 360°, mapeamento de competências, entre outros.).


Imagem: Google imagem.

domingo, 2 de fevereiro de 2014

Você realmente está ganhando mais, ou trabalhando mais?

Muitas pessoas trocam constantemente que emprego acreditando que vai “ganhar mais”, porém, não avaliam corretamente as circunstâncias e acabam trabalhando mais, ou seja, passando mais tempo no trabalho que em casa, e mesmo assim afirmam que estão ganhando mais.

Muito se ouve dos colaboradores – mudei de emprego porque fazemos hora extra e eu ganho mais.

Mas, o que é realmente ganhar mais? Por ventura, se o mesmo colaborador fizer as mesmas horas extras na empresa atual, também não ganharia mais?

Compreendendo o “ganhar mais”:

Para afirmar que “vou ganhar mais” por isso me mudarei de empresa, o colaborador deverá exercer a mesma função ou semelhante na futura organização, cumprir a mesma carga horária, ter os mesmos deveres e obrigações, responsabilidades e cobranças. E assim serem acrescidos de benefícios, premiações, treinamentos, programas de desenvolvimento e oportunidade claras de crescimento.

Compreendendo o “trabalhar mais”:

Quando uma pessoa trocar de empresa apenas por uma remuneração superior a sua atual, ela não poderá afirmar que estará ganhando mais, sem antes ter observado os seguintes pontos:

- Desempenhar a mesma função

- Carga horária/horas extras

- Responsabilidades

- Cobranças

- Benefícios

- Distancia do trabalho para casa


O colaborador só estará ganhando mais se ele for desempenhar a mesma função que desempenha na sua atual empresa, com os mesmos direito, deveres e obrigações, do contrário, estarão trabalhando mais do que no seu emprego anterior, por isso tem uma remuneração maior. Quando se passa mais tempo no serviço do que antes, as responsabilidades aumentam e junto com elas as cobranças, adquirirmos benefícios, é mais do que justo ser recompensados por isso.

Também devemos observar se a distância entre o nosso novo emprego da nossa casa aumentou, se ela for maior que no emprego anterior, passaremos mais tempo fora de casa e em favor do serviço.

Conclusão:

Existe uma enorme diferença entre “ganhar mais do que trabalhar mais” tudo depende do ponto de vista de cada colaborador, se o “MAIS” fazer referência apenas ao dinheiro, não fará diferença para o colaborador se ele passar mais tempo no serviço, e suas responsabilidades aumentarem consideravelmente, desde que com isso ela receba uma remuneração maior. Por outro lado, para alguns; o “MAIS” significa melhor qualidade de vida e perspectivas de futuro. Cabe a cada um, observar e avaliar qual é a melhor escolha para a sua carreira e continuar a sua jornada.

Por Heverton Soares. (Artigo cedido por ele, parceiro do ADM ABRANGENTE.).

Blog:www.lidercoachgestao.wordpress.com


Imagem: Google Imagem.

sábado, 1 de fevereiro de 2014

Workshop nas Missões - AGENDA DE DESENVOLVIMENTO INTEGRAL‏.

Convidamos você para participar do workshop AGENDA DE DESENVOLVIMENTO INTEGRAL Do empreendedorismo ao existencial, que acontecerá de 14 a 16/03/2014, na Pousada das Missões, em São Miguel das Missões-RS. Informações e programação no folder abaixo.

Público-alvo: Empresários, líderes, gestores, empreendedores, profissionais de departamento pessoal e recursos humanos, professores e profissionais que atuem com formação e gestão de pessoas, pessoas que queiram desenvolver um novo olhar para sua vida pessoal e profissional.

O evento conta com o apoio institucional do Sindilojas Missões.

Aproveite o desconto para inscrições antecipadas!

Vagas limitadas!




 Todo conteúdo descrito é de total responsabilidade do responsável do mesmo. O ADM Abrangente, é apenas uma fonte de divulgação.




segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Série: Empreender - Investidor Anjo.

Você tem uma ótima ideia empreendedora. E sonha em colocá-la em prática. Mas o que te impede é a falta do capital.

Mas, imagina ter um anjo, ou melhor, uma pessoa que tem disponível esse valor e quer investir em um negócio? 

Seria algo realmente divino, parece até historia. Mas não é, eles são chamados de investidores anjo. 

Leia o texto abaixo e descubra.




COMO A ANJOS DO BRASIL FUNCIONA PARA EMPREENDEDORES?

A Anjos do Brasil é uma organização sem fins lucrativos que apoia os empreendedores na busca de investimento anjo para seus negócios das seguintes formas:



Capacitação: Criamos várias "ferramentas" como o conteúdo deste site, o livro "Investidor Anjo", Cursos e Workshops para auxiliar aos empreendedores aprenderem como se prepararem para apresentar seu negócio para investidores de forma a aumentarem as suas chances de sucesso na captação de investimento. 


Encaminhamento de Projetos para Investidores: possuímos uma rede de investidores distribuídos em Núcleos Regionais em diversos estados e encaminhamos os projetos enviados para nós (pela opção Submeter) para os mesmos avaliarem e em tendo interesse, contatarem o empreendedor para negociarem diretamente o investimento. 

Parcerias para Disseminação de Conhecimento: promovemos diversas atividades nossas e e apoiamos as de nossos parceiros para disseminar o conhecimento sobre investimento anjo e empreendedorismo com objetivo de ampliar a cultura de inovação nos negócios. Faça sua inscrição para acompanhar nossa agenda.

Apoio a Criação de Políticas Públicas: propomos e apoiamos propostas dos nosso parceiros para a melhoria da legislação e regulamentação para o investimento anjo e o empreendedorismo brasileiro, bem como ações das entidades públicas para estimulo dos mesmos. 

Assim, se você tiver um projeto que se enquadre em investimento anjo (vide Como Obter Investimento Anjo), submeta para nós que encaminharemos com todo prazer para nosso membros investidores avaliarem o mesmo.



IMPORTANTE: A Anjos do Brasil não faz investimentos diretos, nem gestão de recursos de terceiros ou indicação/intermediação de qualquer investimento bem como não cobra qualquer valor sobre o mesmo ou endossa qualquer empreendedor/investidor, assim, não podemos dar qualquer garantia ou assumir qualquer responsabilidade; apenas apoiamos investidores-anjo e empreendedores a se conectarem, avaliarem-se e negociarem diretamente. Para maiores detalhes vide FAQ e Termos.

Gostou? Quer saber mais? Confira!



Sait: www.anjosdobrasil.net


Por Lumara Diniz

Fonte: Anjos do Brasil, www.anjosdobrasil.net

Imagem: Google imagem.

Confira Também: Página Empreendedorismo




sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Superação no trabalho.

Paz interior: É necessário estar bem consigo mesmo, em completo equilíbrio entre mente, corpo e espírito. 

Humildade: Respeitar e ser submisso, conter a própria vontade.

Maturidade: Estar ciente dos próprios limites.

Direção: Traçar, conhecer e permanecer no caminho escolhido.

Atitude: Disposição interior para agir.

Persistência: Não desistir, continuar tentando e perseverando até conseguir o resultado almejado.

Paciência: Saber esperar e aceitar que tudo tem o seu devido tempo, suportando e tolerando sem perder a razão.

Quem nunca ouviu e vivenciou histórias de pessoas que tiveram um momento muito ruim em sua carreira profissional, mas, seguiram em frente e deram a volta por cima? Mas, seria este um mistério ou uma fantasia corporativa?

Abaixo veremos as explicações do porque, dessa ordem na pirâmide.

Se o tema abordado no início foi superação no trabalho, significa que alguém está vivendo um momento muito difícil em sua carreira e precisa se recuperar e adquirir confiança e estabilidade. Nenhuma pessoa consegue refletir sobre sua situação atual, planejar e colocar em prática sem estar bem consigo mesma, ou seja, consultar o seu coração e encontrar paz e as próprias respostas que ficaram “adormecidas” por falta de equilíbrio emocional. Por isso a importa de termos como base, a Paz interior.

É preciso ter Humildade para sermos submissos e contermos a nossa própria vontade. É perfeitamente normal quando estamos passando por um momento difícil e enfim, encontramos a paz que necessitávamos; acharmos que já estamos prontos para o que der e vier e nos auto-motivarmos, mas, esta disposição esconde o “fator” imprudência e pode levar a pessoa falhar por causa do alto excesso de confiança e achar que a única coisa que faltava para ele era a paz interior.

A Maturidade será muito importante quando começarmos a caminhar e enfrentarmos os primeiros desafios que são: aceitar que era necessário mudar, reparar nossos erros e se comprometer com seus resultados conhecendo os nossos limites.

Depois de avaliado com maturidade nossa real situação e conhecidos os nossos limites passamos a ter uma Direção da nossa caminhada, onde já nos comprometemos com os resultados e temos traçados nossos objetivos e estabelecido prazos.

Agora é necessário termos Atitude e fazermos acontecer tudo aquilo que planejamos, ou seja, agirmos e realizarmos nossos objetivos.

A Persistência é fundamental, porque quando começamos agir, poderemos encontrar obstáculos onde às lembranças do passado seguidas de problemas imaginários ainda podem nos afetar emocionalmente e se não persistirmos e perseverarmos até o fim, nossa caminha poderá ser novamente interrompida.

E por último e mais difícil etapa da superação no trabalho a Paciência, sem ela não haverá êxito, mesmo que todas as fases anteriores tenham sido perfeitas. Se não houver compreensão e aceitar que tudo realmente tem o seu determinado tempo e “suportar” sem perder a razão e tentar conseguir as coisas a base do “grito” e no exato momento que queremos, todo o esforço será perdido.

É importante ressaltar que, as pessoas são diferentes e tem sonhos e desejos distintos. A fórmula usada para uma pessoa atingir de forma mais clara e rápida os seus resultados pode não funcionar com outras, ou seja, às vezes a ordem aqui exposta deverá ser alterada para que, outras pessoas também consigam a sua superação no trabalho.

Por Heverton Soares. (Artigo cedido por ele, parceiro do ADM ABRANGENTE.).

Blog:www.lidercoachgestao.wordpress.com


Imagem: Líder Coach Gestão.

domingo, 19 de janeiro de 2014

Série: Empreender.

"Empreender é o modo de pensar e agir de forma inovadora, identificando e criando oportunidades,  inspirando, renovando e liderando processo. Tornando possível o impossível e entusiasmando pessoas, combatendo a rotina, assumindo riscos em favor do lucro."

O Brasil é um dos países que mais empreendi no mundo. Segundo uma pesquisa, em cada 100 brasileiros adultos, 13 estão envolvidos em alguma atividade empreendedora. Abrir um negócio é muito fácil, assim é o que muitos pensam. Mas o difícil é se manter firme e existente no mercado. 

Pesquisas apontam, que muitas empresas fecham as portas antes mesmo de completar um ano de existência.

Mas o que leva a esse acontecimento? Falta de sorte? Não, falta de conhecimento.

Um dos maiores erros cometidos por quem abre um negócio, que inclusive também é um dos principais motivos de insucesso, é achar que obterá lucro no mês seguinte da abertura de seu empreendimento. Acabam confundindo fluxo de caixa com lucro. O empreendedor tem que ter em mente, que terá lucro em um determinado tempo. Existem franquias, por exemplo, que levam 2 anos para o empresário obter lucro. 

Empreender é ter paciência, perseverança. É fundamental saber administrar, planejar e organizar bem. 

Abrir um negócio, digamos que não é tão difícil e nem tão fácil, prefiro dizer que é simples. Mas você deve se perguntar, Simples com tanta burocracia? Simples sim, quando se adquire conhecimento. Assim como diz em um canal de Tv por assinatura, "Conhecimento é que nem água, VITAL". 

E é por isso que digo, que para empreender é extremamente importante ter conhecimento. Isso não quer dizer que com conhecimento, você não cometerá erros. Claro que vai, e talvez que bom! Pois aprenderá com eles, assim como tudo na vida. Mas saberá corrigi-los com mais facilidade e agilidade.

Para quem vai empreender deve gostar do que irá fazer, ter consciência de que os desafios virão e não se pode desistir no primeiro obstáculo. Lembrar-se que as grandes empresas conhecidas no mundo todo, um dia começaram micro, e muitas delas em casa mesmo, passaram por diversas situações. Receberam muitos nãos. E o que as levou ao sucesso? A perseverança, não desistir no primeiro obstáculo. Mas fazer do obstáculo o degrau para a subida, e da experiência ruim, a inovação.

Em minha opinião, todo empreendedor seja aquele que almeja começar um negócio ou aquele que já tenha um, deveria conhecer pelo menos uma história de uma empresa de sucesso. Tenho certeza, que dará motivação na caminhada.

E esse é meu objetivo, dividir conhecimento com você. Hoje começo aqui no ADM Abrangente, a série Empreender. A parti de agora, você sempre encontrará aqui, post que irá abordar desde como fazer um plano de negócio até como manter o seu negócio produtivo e com qualidade. Além de download de planilhas para auxiliar no dia dia de um negócio, dicas, casos de empresas de sucesso e muito mais. Além de tudo quero ouvir você leitor, mande seus comentários, caso, participe! Será um prazer recebe-lo aqui!

Sucesso!

Por Lumara Diniz.

Imagem: Google Imagem.

Confira também a página: Empreendedorismo.


quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

A construção do relacionamento.

Muito mais difícil do que alcançar destaque e reconhecimento em uma economia de commodities, é conseguir atingir o coração do cliente desejado. Posso apostar que ninguém escolhe os serviços de uma ou de outra lavanderia, por exemplo, por amor à marca. Mas uma lavanderia que guarde aquele botão extra que vem nas roupas, para pregá-lo quando você precisar é um exemplo do quanto uma pequena atitude pode se transformar em um grande diferencial e no início de um relacionamento com o cliente, que para ser duradouro, só vai depender da qualidade dos seus produtos e dos seus serviços. 

Mas, para que um relacionamento possa nascer é preciso observar algumas características essenciais:

Interação: Os relacionamentos são interativos, tornam-se cada vez mais inteligentes de forma que temos o desenvolvimento de um contexto. Nós conversarmos para conhecer m pouco melhor um ao outro. Isso nos dá um motivo para continuar esse relacionamento, mesmo que um ou outro cometa algum erro.

Confiança: Os relacionamentos de sucesso têm de gerar confiança. Você pode fazer um negócio, mas se não houver confiança não vai ser um negócio duradouro. Quando nós confiamos na empresa com a qual comercializamos, sabemos que vamos querer compartilhar informações e elas serão bem cuidadas. Isso é muito importante e valioso para um cliente, essa idéia de que "eu estou cuidando de você e você também está cuidando de mim".


Assumir o ponto de vista do cliente: Trate o cliente como você gostaria de ser tratado se fosse um cliente. Conquistar e manter a confiança de um cliente nos permite sempre manter o ponto de vista dele. Caso seja necessário, faça com que os seus funcionários virem clientes da sua empresa por um dia.


Entender as necessidades: O verdadeiro sucesso vem de enxergar a empresa do modo como o cliente a vê e atender as necessidades dele muito melhor que outras pessoas. A única maneira de aumentar o valor do cliente é tornar-se mais valioso para ele e a única maneira de tornar-se mais valioso para um cliente é sabendo quais são as suas necessidades e atendendo-as de uma forma muito melhor do que qualquer outra pessoa.

Investir nos valores: É preciso entender que, a médio e longo prazo, o relacionamento com o cliente poupa dinheiro. O cliente quer ser leal, não quer se preocupar em trocar de fornecedor toda hora. Cabe a você saber o que ele precisa. É o caso do cliente que só queria um chocolatinho, uma balinha no seu travesseiro todo dia quando chegasse ao hotel. Para dar ao cliente o que ele queria, foi preciso perguntar isso para ele.

Artigo cedido por nossa parceira Alessandra Assad 

Diretora da Assim Assad Desenvolvimento Humano. Formada em Jornalismo, pós-graduada em Comunicação Audiovisual e MBA em Direção Estratégica, é professora no MBA de Gestão Comercial da Fundação Getulio Vargas, Consultora Senior do Instituto MVC, palestrante e autora do livro Atreva-se a Mudar! – Como praticar a melhor gestão de pessoas e processos.


Fone: (41) 3311-1056 / (41) 9235 - 5764

Imagem: Google Imagem.

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Minha Missão pessoal.

Quarto Passo para ajudá-lo no desenvolvimento de sua carreira:


Em todo e qualquer website que você pesquise, é fácil encontrar a missão, os valores e a visão de uma empresa. O objetivo é deixar claro para clientes, fornecedores, parceiros e colaboradores, qual a imagem que essa empresa quer transmitir ao mercado e permite as pessoas optarem se querem compartilhar deste sonho ou deste desafio com a empresa. Desta forma confirmamos que a missão é a razão de ser da organização, é o papel que justifica a sua existência.

Segundo Philip Kotler, uma missão bem estruturada atua como uma mão invisível que guia as pessoas para a significância e realização.

Portanto, a missão torna-se a razão da existência da empresa, mas qual é a razão da sua existência? Você já definiu qual é a sua missão pessoal? Afinal, para que você veio ao mundo? Para que você existe? Enquanto não tiver resposta a essas perguntas, está com uma grande crise de significado e por essa razão pode estar se sentindo frustrado ou desmotivado com o que você faz hoje.

Tenha claro para você que a partir do momento que você desenhar uma missão pessoal e se propor a realizá-la, certamente estará caminhando para uma trilha de sucesso. Aliás, essa é um das principais características que encontramos nas pessoas de sucesso, elas sabem exatamente quem são, para que vieram e para onde estão indo.

A capacidade de ter o domínio sobre o que você quer e espera da sua vida, de direcionar seus pensamentos para o que pode conquistar, de optar sobre o que é destrutivo ou construtivo, são fatores que diferenciam sucesso e fracasso. Vale lembrar que a definição de uma missão pode funcionar como uma ferramenta altamente eficaz para se construir não apenas sonhos, mas a materialização dos mesmos, um real objetivo de vida. Por isso saiba usar suas ferramentas e principalmente, saiba vendê-las as pessoas, só assim elas poderão optar se querem compartilhar deste sonho real, pois na realidade o sucesso não é inalcançável, é INEVITÁVEL!

Artigo cedido pela parceira  Ana Artigas .

Psicóloga, pós-graduada em treinamento de RH e MBA executivo internacional com especialização em gestão empresarial pela FGV. Possui formação, treinamento e capacitação como consultora especializada Caliper em análise de perfil profissional pela Caliper Corporate, em Princeton, EUA. Desenvolve trabalhos de consultoria junto a médias e grandes empresas, oferecendo suporte em projetos de reestruturação organizacional, job rotation, gestão de desempenho, avaliações 360°, mapeamento de competências, entre outros.



Feliz Natal e que em 2014 você se mova e vá em busca da realização de seus sonhos e objetivos! São os votos do ADM Abrangente á você e toda sua família.

Lumara Diniz.


Imagem: Google imagem.

domingo, 15 de dezembro de 2013

Valorize o Capital Humano!

No mundo corporativo onde a sobrevivência das empresas depende de inovação, conhecimento, habilidade e alto investimento, onde a competitividade é acirrada. Somente as pessoas podem fazer a diferença, é possível copiar idéias, filosofias, culturas, modelos de gestão de pessoas, treinamentos, mas, copiar pessoas é impossível! Por isso o capital humano deve ser valorizado. 


O capital humano é a maior fonte de riqueza das organizações, o valor de cada pessoa contribui para o alto crescimento e desenvolvimento da empresa. As pessoas possuem dons, talentos, qualidades, habilidades e técnicas diferentes. A organização que investe e valoriza seu capital humano está ao mesmo tempo investindo e valorizando a si mesma. O mercado é cada vez mais dependente de qualidades e inovação, há um grande aumento na criação de nossas profissões justamente para atender melhor as organizações e tirar o máximo de cada colaborador.

É muito importante esclarecer que, tirar o máximo de cada colaborador não é explorá-lo, fazer a pessoa trabalhar dobrado, aumentar as tarefas ou coisas do gênero. Tirar o máximo de cada colaborador é investir na educação profissional da pessoa. Ajudar cada um aprimorar suas qualidades, em outras palavras tirar o máximo de cada colaborador é capacitar o seu capital humano. 

As pessoas são definitivamente o verdadeiro diferencial competitivo, capacitar o seu capital humano é crucial para a sobrevivência da organização no mercado de trabalho. Os gestores de hoje investem cada vez mais em treinamentos, recursos humanos e estratégias de gestão.

Mesmo que uma empresa resolva substituir grande parte da sua mão-de-obra por maquinários, sempre terá um ser humano por trás operando as tais máquinas. É possível substituir maquinas por outras mais avançadas, é possível substituir um quadro de duzentos colaboradores por uma só maquina, mas, jamais será possível substituir os dons e talentos dados por Deus às pessoas.



Por Heverton Soares. (Artigo cedido por ele, parceiro do ADM ABRANGENTE.).

Blog: www.lidercoachgestao.blogspot.com


Imagem do Texto: Google Imagem.

sábado, 7 de dezembro de 2013

A Construção do relacionamento.

Muito mais difícil do que alcançar destaque e reconhecimento em uma economia de commodities, é conseguir atingir o coração do cliente desejado. Posso apostar que ninguém escolhe os serviços de uma ou de outra lavanderia, por exemplo, por amor à marca. Mas uma lavanderia que guarde aquele botão extra que vem nas roupas, para pregá-lo quando você precisar é um exemplo do quanto uma pequena atitude pode se transformar em um grande diferencial e no início de um relacionamento com o cliente, que para ser duradouro, só vai depender da qualidade dos seus produtos e dos seus serviços. 

Mas, para que um relacionamento possa nascer é preciso observar algumas características essenciais:

Interação: Os relacionamentos são interativos, tornam-se cada vez mais inteligentes de forma que temos o desenvolvimento de um contexto. Nós conversarmos para conhecer m pouco melhor um ao outro. Isso nos dá um motivo para continuar esse relacionamento, mesmo que um ou outro cometa algum erro.


Confiança: Os relacionamentos de sucesso têm de gerar confiança. Você pode fazer um negócio, mas se não houver confiança não vai ser um negócio duradouro. Quando nós confiamos na empresa com a qual comercializamos, sabemos que vamos querer compartilhar informações e elas serão bem cuidadas. Isso é muito importante e valioso para um cliente, essa idéia de que "eu estou cuidando de você e você também está cuidando de mim".


Assumir o ponto de vista do cliente: Trate o cliente como você gostaria de ser tratado se fosse um cliente. Conquistar e manter a confiança de um cliente nos permite sempre manter o ponto de vista dele. Caso seja necessário, faça com que os seus funcionários virem clientes da sua empresa por um dia.


Entender as necessidades: O verdadeiro sucesso vem de enxergar a empresa do modo como o cliente a vê e atender as necessidades dele muito melhor que outras pessoas. A única maneira de aumentar o valor do cliente é tornar-se mais valioso para ele e a única maneira de tornar-se mais valioso para um cliente é sabendo quais são as suas necessidades e atendendo-as de uma forma muito melhor do que qualquer outra pessoa.

Investir nos valores: É preciso entender que, a médio e longo prazo, o relacionamento com o cliente poupa dinheiro. O cliente quer ser leal, não quer se preocupar em trocar de fornecedor toda hora. Cabe a você saber o que ele precisa. É o caso do cliente que só queria um chocolatinho, uma balinha no seu travesseiro todo dia quando chegasse ao hotel. Para dar ao cliente o que ele queria, foi preciso perguntar isso para ele.


Artigo cedido por nossa parceira Alessandra Assad 

Diretora da AssimAssad Desenvolvimento Humano. Formada em Jornalismo, pós-graduada em Comunicação Audiovisual e MBA em Direção Estratégica, é professora no MBA de Gestão Comercial da Fundação Getulio Vargas, Consultora Senior do Instituto MVC, palestrante e autora do livro Atreva-se a Mudar! – Como praticar a melhor gestão de pessoas e processos.


Fone: (41) 3311-1056 / (41) 9235 - 5764








Imagem do texto: Google Imagem.

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Série Grandes Líderes: Nelson Mandela.

Começo hoje aqui no ADM Abrangente, uma série: Grandes Líderes. Onde será abordado grandes nomes que fazem ou fizeram histórias e que tem muito a nos ensinar, tanto na vida profissional, como na pessoal.

Na primeira série, temos o grande Mandela, que mudou não só a África, mas também o mundo. Infelizmente, Hoje lamentamos a sua morte, que deixa o mundo "órfã", mas um pouco melhor, com o seu exemplo e modelo de liderança e amor ao próximo.

Nelson Rolihlahla Mandela (Mvezo, 18 de julho de 1918, Joanesburgo, 5 de dezembro de 2013), foi um advogado, líder rebelde e presidente da África do Sul de 1994 a 1999, considerado como o mais importante líder da África Negra, ganhador do Prêmio Nobel da Paz de 1993, Pai da Pátria da moderna nação sul-africana, entre muitas outras, a Ordem de St. John, da Rainha Isabel II, a medalha da Liberdade, de Georeg W.Bush, o Bharat Ratna, a mais alta distinção da Índia, e a Ordem do Canadá.

Até 2009 havia dedicado 67 anos de sua vida à causa que defendeu como advogado dos direitos humanos e pela qual se tornou prisioneiro de um regime de segregação racial, até ser eleito o primeiro presidente da África do Sul livre, razão pela qual em sua homenagem, a Organização das Nações Unidas instituiu o Dia Internacional Nelson Mandela no dia de seu nascimento, como forma de valorizar em todo o mundo a luta pela liberdade, pela justiça e pela democracia.

Nascido numa família de nobreza tribal, numa pequena aldeia do interior onde possivelmente viria a ocupar cargo de chefia, abandonou este destino aos 23 anos ao seguir para a capital Joanesburgo e iniciar atuação política. Passando do interior rural para uma vida rebelde na faculdade, transformou-se em jovem advogado na capital e líder da resistência não-violenta da juventude em luta, acabando como réu em um infame julgamento por traição, foragido da polícia e o prisioneiro mais famoso do mundo, após o qual veio a se tornar o político mais galardoado em vida, responsável pela refundação do seu país - em moldes de aceitar uma sociedade multiétnica.

Mandela foi criticado muitas vezes por ter traços egocêntricos e por seu governo ter sido amigo de ditadores que foram simpáticos ao Congresso Nacional Africano (CNA). Em seu foro íntimo, enfrentou dramas pessoais e permaneceu fiel ao dever de conduzir seu país. Foi o mais poderoso símbolo da luta contra o regime segregacionista do Apartheid, sistema racista oficializado em 1948, e modelo mundial de resistência. No dizer de Ali Abdessalam Treki, Presidente da Assembleia Geral das Nações Unidas, "um dos maiores líderes morais e políticos de nosso tempo".

Em Julho de 1991 Mandela é eleito presidente do CNA, cargo que ocupa até Dezembro de 1997, tornando-se em Maio de 1994 o primeiro presidente negro da África do Sul. Durante a sua presidência, até Junho de 1999, Nelson Mandela lidera a transição do regime de minoria, consolidando o respeito internacional pela sua luta em prol da reconciliação interna e externa.

Terminado o seu mandato presidencial, aos 81 anos, o grande líder sul-africano virou-se para as causas sociais e dos direitos humanos, de que releva, entre outras, a campanha de recolha de fundos contra o HIV chamada "46664", à memória do seu número de cela enquanto prisioneiro político.

Em Junho de 2004, aos 85 anos, Mandela anunciou a sua retirada da vida política, não sem continuar a ser uma referência de primeira grandeza na cena internacional, e um verdadeiro ídolo no seu país, convertendo o Soweto na Meca da luta pelos direitos humanos e pela igualdade entre os homens. A ONU instituiu, a partir de 2010, o dia 18 de Julho de cada ano como o Dia Internacional Nelson Mandela (dia do seu nascimento), como forma de valorizar em todo o mundo a luta pela liberdade, pela justiça e pela democracia.

Mandela casou pela primeira vez em 1944 com Evelyn Mase, de quem se divorciou 13 anos mais tarde. Em 1958 casa com Winnie Madikizela Mandela, a quem ficou unido durante 38 anos. O seu terceiro casamento foi com Graça Machel, viúva do presidente moçambicano Samora Machel, com quem vive atualmente.

Desde o final de 2012 até ao presente, Nelson Mandela tem registado graves problemas pulmonares, com diversos internamentos hospitalares, tendo em diversos momentos sido dado como estando na reta final da sua vida. A cada notícia do agravamento da saúde de Madiba, como é carinhosamente chamado entre o seu povo, a consternação coletiva apodera-se dos sul-africanos, ao ponto do Presidente da República, Jacob Zuma, ter vindo a público, por diversas vezes, apelar à calma da população.






Estaremos sempre no desejo de um mundo melhor, de paz, união e igualdade. Na esperança que o sonho de Mandela um dia se realize:

" Sonho com o dia em que todas as pessoas levantar-se-ão e compreenderão que foram feitas para viverem como irmãos".



Por Lumara Diniz

Fonte do texto: Wikipédia.

Imagens: Google Imagem e Kdfrases.com


quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

13º salário com alto desempenho.

Li essa semana, uma reportagem na Você S/A (edição 183 Novembro 2013), escrita por Adriano Marquez Leite. A reportagem fala que neste ano 2013, 82,3 milhões de trabalhadores vão receber o 13º salário, que começou a ser pago no mês de Novembro. Esse dinheiro extra que em média é de R$ 1.663,00 reais, aqui no Brasil. É aguardada com ansiedade principalmente por aqueles que estão com os seus orçamentos bem apertados e contam com esse dinheiros extra para sair do sufoco. Dados da Federação das câmaras de dirigentes Lojistas de São Paulo (FCDL-SP) apontam que neste ano de 2013, as pessoas estão mais cautelosas com a situação econômica do país  e deverão usar o 13º para quitar dívidas, pagar adiantado matrículas de escolas, impostos. A penas 30% pretende gastar em compras, viagens, reforma da casa ou investir na carreira.

Quaisquer que sejam os planos, os especialistas recomendam que seja feito primeiro um planejamento, antes de mexer no dinheiro para evitar prejuízos. Para isso, é preciso contabilizar dívidas, impostos, despesas com funcionário, etc, para identificar as prioridade.

A reportagem traz 4 dicas para gastar o seu 13º de forma mais eficiente. Achei as dicas muito válidas e por isso trouxe algumas das 4 dicas aqui no ADM Abrangente. Espero que goste! 


Plano 1: Pagar as dívidas.

  • Enumere as cobranças existentes e classifique-as de acordo com os juros que incidem sobre cada uma delas;
  • Pague primeiro as dívidas que cobram as maiores taxas, e não as mais caras ou com vencimento mais próximos;
  • Bônus e participação nos lucros da empresa também devem ser usados na quitação das dívidas, afinal, o ganho de nenhuma aplicação superará os juros do cheque especial ou do cartão de crédito. 


Plano 2: Poupar para as despesas do começo do ano.

  • Com o 13º em mãos, é preciso saber quais impostos e débitos deverão ser pagos integralmente em Janeiro e quais poderão ser parcelados ao longo de 2014. Se possível, quite aqueles cujo pagamento antecipado rende desconto. A parcela única do IPTU, por exemplo, tem desconto de 3% a 5%;
  • Considere fazer o pagamento adiantado de todo o ano escolar de seu filho. Algumas escolas concedem descontos de até 50%;
  • Faça uma reserva com o 13º para pagamento do IPVA e licenciamento do veículo, mesmo que o vencimento não seja em Janeiro. Em caso de atraso, a multa pode chegar a 20%, além de ser infração de trânsito, o que pode gerar ainda mais prejuízos.


Plano 3: Reformar a casa.

  • Faça da internet sua aliada. Pesquise os preços do material de construção em várias lojas antes de ir ás compras, evitando que o orçamento saia do controle;
  • Contrate uma empresa com arquiteto ou engenheiro para tocar a obra. Apesar da percepção de que isso pode onerar o orçamento, esses profissionais têm como calcular quantidades exatas de material, evitando desperdícios e surpresas;
  • Considere pagar o material de construção á vista, com um bom desconto. E fazer a reforma depois, com o salário das férias. Mas fique atento: tintas têm prazo de validade, e cimento e rejunte são perecíveis;
  • Negocie um valor total para a mão de obra, de modo a evitar que o serviço se estenda indefinidamente. 


Plano 4: Invista na formação profissional.

  • O investimento em estudo é considerado pelos especialistas uma dívida boa. Segundo um estudo da FGV, a cada ano adicional de instrução, o salário aumenta 15%;
  • Usar o 13º como entrada para o MBA pode reduzir o valor das parcelas restantes, fazendo esse investimento pesar menos no orçamento;
  • Caso tenha outras reservas que , somadas ao 13º, se aproximem do valor total da graduação, pós-graduação ou cursos. Tente negociar um bom desconto para o pagamento á vista;
  • Estudar no exterior, pesquise crédito estudantis no país de destino. As universidade americanas têm convênios para financiar o curso em até 15 anos, com juros de 5% anuais e pagamento após a conclusão. Use o 13º para gastos de manutenção.


Gostou da dicas? Deixe o seu comentário, compartilhe com agente a sua opinião.


Texto inicial: Lumara Diniz.

Fonte do texto (dicas): Revista Você S/A (edição 183 Novembro 2013, páginas 92 á 93 autor: Adriano Marquez Leite )

Imagem: Google imagem.


terça-feira, 19 de novembro de 2013

Eu estava errado. Perdoe-me!

Por qual motivo temos dificuldade de pedir perdão?

Em muitas situações de desentendimento e desconfiança nos relacionamentos humanos, bem como nas separações, brigas no trabalho e nos ambientes sociais, é importante reconhecermos uma de nossas grandes falhas: a falta de um pedido de perdão. Não reconhecermos nossos erros é um grande obstáculo na qualidade do convívio. 

Por qual motivo temos estas dificuldades? Um deles é admitir a “perda da nossa dignidade”, ter de passar por cima do nosso orgulho, sentirmo-nos ameaçados ao expormos nossos pontos fracos, ou que, ao pedirmos desculpas, o outro “nos 'passe na cara' ou use isto como uma vingança”, ou ainda que “seja lembrado pelos erros ou punido por ser honesto”. (Powell, J. 1985). Acho que, muitas vezes, você já viveu isto, não é mesmo? 

Em várias situações, sentimo-nos inferiores ao pedir desculpas; temos a necessidade de passar parte de nossa vida provando que somos sempre certos, que somos sempre capazes, que somos fortes e invencíveis. De alguma forma, esta necessidade vai sendo imposta a nós e pode ser uma grande armadilha em nossas vidas. 

Em outras situações, posso usar o seguinte pensamento: "se não recebi as desculpas do outro, por que eu vou me sujeitar a pedir desculpas?”. Isto nada mais é do que um grande processo de imaturidade, ao deixarmos que os comportamentos da outra pessoa possam determinar os nossos comportamentos e atitudes. É como achar certo roubar, porque alguém já roubou, não foi descoberto e nunca foi punido. 

Para que possamos chegar ao ponto de pedir desculpas, é válido encontrar um ponto de honestidade com nós mesmos, assumindo falhas e limitações. Esta honestidade interior faz com que vejamos, verdadeiramente, nossa responsabilidade nas situações, possamos reconhecer o que fizemos e entrar numa atitude de reconciliação com o outro. Talvez, nem sempre consigamos perdão, mas a atitude de reconhecer é totalmente sua e, certamente, muito libertadora. 

Peça desculpas, mas livre-se dos que levam você a pensar: “você provocou isto”, “só reagi assim, porque você é culpado”, “estou tratando você como fui tratado por você”. Tais formas “racionais” de explicar um fato, apenas alimentam em nós mais raiva e mais ressentimento. Faz com que cubramos nossos erros e não permite que, honestamente, possamos admitir o que foi feito de errado. 

“O perdão é instrumento de vida” (Cencini, A . 2005) e “força que pode mudar o ser humano”. Certamente, “a falha em pedir desculpas” e em perdoar só servirão para prolongar a separação entre duas pessoas. Para isto, “a verdade precisa estar presente em todos os sinceros pedidos de desculpa” (Powell, J. 1985), compreendendo a extensão dos prejuízos que nossas atitudes, por vezes desordenadas e desmedidas, possam ter provocado na vida do outro. 

Por vezes, precisamos quebrar nossas barreiras interiores e realizarmos um grande esforço ao dizer: “Eu estava errado, perdoe-me!”, pois este esforço fará sua vida muito melhor, mesmo que o outro não aceite, de imediato, seu pedido, mas sua vida já foi mudada a partir deste gesto. 

Pense nisto: Para quem você gostaria de pedir perdão hoje?

Texto: Elaine Ribeiro

Elaine Ribeiro, Psicóloga Clínica e Organizacional, colaboradora da Comunidade Canção Nova.

E-mail:elaine.ribeiro@cancaonova.com

Blog:temasempsicologia.wordpress.com

Twitter: @elaineribeirosp

Imagem: Google imagem.

Share

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More