Visualizações de páginas/visitas.

This is default featured post 1 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

This is default featured post 2 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

This is default featured post 3 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

This is default featured post 4 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

This is default featured post 5 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Belo Discurso de Bryan Dyson. Feliz Natal e Prospero Ano Novo!

Todo ano eu posto aqui algum post com dicas sobre como criar metas, fazer um planejamento para o ano novo. 


Mas neste ano resolvi dividir com você algo mais profundo, que possa fazer com que você se permita a uma reflexão. Quem sabe você ainda vai fazer seus planos para 2015 ou já os fez, mas sente que ainda falta algo que dê certo "impulso" para o ano novo, e pode ser que esse texto seja o que você esteja precisando. 

Eu recebi esse texto fantástico e muito sábio e quero dividi-lo com você. Confira!




Discurso feito por Bryan Dyson, deixando o cargo de presidente da Coca Cola:

“Imagine a vida como um malabarismo com cinco bolas. Estas são: seu trabalho, sua família, sua saúde, seus amigos e sua vida espiritual. E você tem que mantê-las sempre no ar.

Logo você vai perceber que o trabalho é como uma bola de borracha. Se deixar cair, ela rebaterá e irá saltar de volta. Mas as outras quatro bolas - família, saúde, amigos e vida espiritual - são frágeis como vidro. Se você deixar cair, irrevogavelmente serão lascadas ou mesmo quebradas. Nunca mais serão as mesmas.

Por isso, trabalhe de forma eficaz nas horas normais de trabalho, mas, nas demais, dê o tempo necessário para o mais importante: a família, os amigos e você. Relacione-se com quem gosta, exercite-se, coma e descanse adequadamente. E acima de tudo, cresça na vida espiritual, a mais importante, porque é eterna.”

Reflita:

1- Saúde é mais importante que bens.

2- Família é mais importante que conforto.

3- Presença é mais importante que presentes.

4- Preparo intelectual é mais importante que dinheiro imediato.

5- Reservas espirituais são mais importantes que financeiras.

6- Deus é mais importante que todas as coisas.


MANUAL PARA A VIDA


NA SAÚDE:

1. Beba muita água

2. Coma mais o que nasce em árvores e plantas, e menos comida produzida em fábricas;

3. Viva com os 3 E's: Energia, Entusiasmo e Empatia;

4. Arranje 30 minutos por dia para orar sozinho;

5. Faça atividades que ative seu cérebro ;

6. Leia mais livros do que leu no ano passado;

7. Sente-se em silêncio, pelo menos, 10 minutos por dia;

8. Durma 8 horas por dia;

9. Faça caminhadas de 20-60 minutos, por dia e, enquanto caminha, sorria.


NA PERSONALIDADE:

11. Não compare a sua vida com a dos outros. Ninguém faz idéia de como é a caminhada dos outros;

12. Não tenha pensamentos negativos ou coisas sobre as quais não tenha controle;

13. Não se exceda. Mantenha-se nos seus limites;

14. Não se torne demasiadamente sério;

15. Não desperdice a sua energia preciosa em fofocas;

16. Sonhe mais;

17. Inveja é uma perda de tempo. Tenha aquilo de que necessita....

18. Esqueça questões do passado. Não lembre seu parceiro dos seus erros do passado. Isso destruirá a sua felicidade presente;

19. A vida é curta demais para odiar alguém. Não odeie.

20. Faça as pazes com o seu passado para não estragar o seu presente;

21. Ninguém comanda a sua felicidade a não ser você;

22. Tenha consciência de que a vida é uma escola e que está nela para aprender. Problemas são apenas parte, que aparecem e se desvanecem como uma aula de álgebra, mas as lições que aprende, perduram por uma vida inteira;

23. Sorria e gargalhe mais;

24. Não necessite ganhar todas as discussões. Aceite também a discordância;


NA SOCIEDADE:

25. Entre mais em contato com sua família;

26. Dê algo de bom aos outros, diariamente;

27. Perdoe a todos por tudo;

28. Passe tempo com pessoas acima de 70 anos e abaixo de 6;

29. Tente fazer sorrir, pelo menos, três pessoas por dia;

30. Não lhe diz respeito o que os outros pensam de você;

31. O seu trabalho não tomará conta de você quando estiver doente. Os seus amigos o farão. Mantenha contato com eles.


NO SEU DIA A DIA:

32. Faça o que é correto;

33. Desfaça-se do que não é útil, bonito ou alegre;

34. Lembre de que DEUS cura tudo;

35. Por muito boa ou má que a situação seja.... Ela mudará...

36. Não interessa como se sente, levante, se arrume e apareça;

37. O melhor ainda está para vir;

38. Quando acordar de manhã, agradeça a DEUS pela graça de estar vivo.

39. Mantenha seu coração sempre feliz.


POR ÚLTIMO:

40.  Desejo á você caro leitor, que esteve esse ano de 2014 prestigiando o Adm Abrangente, um Feliz Natal e um 2015 repleto de saúde, paz, amor, Fé, sucesso, prosperidade e muitas mais muitas felicidades para você e sua família. 

E aguarde que em 2015 teremos muitas novidades.


Por Lumara Diniz

Texto: Autor desconhecido.

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Alerta de um cardiologista. Lembre-se que sem saúde não podemos trabalhar.


Esse texto que divido com você hoje é sobre um assunto muito sério. O meu esposo quem o recebeu e me deu a ideia de repassa-lo para os leitores do Adm. Abrangente. 

Esse assunto é verdadeiro, pois ao um tempo atrás em uma palestra da semana da CIPAT em uma empresa que trabalhei o cardiologista convidado, havia dito as mesmas coisas.


"Alerta de um Cardiologista.


Depois do que aconteceu com J.Wilker e Jair Rodrigues, vale o alerta.

Muito do que o médico recomenda, não se tem como hábito.

Alerta do Dr. Enio Buffolo (cardiologista)

Quando publiquei estes conselhos em meu site, recebi uma enxurrada de e-mails, até mesmo do exterior, dizendo que isto lhes serviu de alerta.

São eles:

1. Não cuide de seu trabalho antes de tudo. As necessidades pessoais e familiares são prioritárias.

2. Não trabalhe aos sábados o dia inteiro e, de maneira nenhuma, trabalhe aos domingos.

3. Não permaneça no escritório à noite e não leve trabalho para casa e/ou trabalhe até tarde.

4. Ao invés de dizer "sim" a tudo que lhe solicitarem, aprenda a dizer "não".

5. Não procure fazer parte de todas as comissões, comitês, diretorias, conselhos e nem aceite todos os convites para conferências, seminários, encontros, reuniões, simpósios etc.

6. Se dê ao luxo de um café da manhã ou de uma refeição tranquila.

Não aproveite o horário das refeições para fechar negócios ou fazer reuniões importantes.

7. Pratique esportes. Faça ginástica, natação, caminhe, pesque, jogue bola ou tênis.

8. Tire férias sempre que puder, você precisa disso. Lembre-se que você não é de ferro.

9. Não centralize todo o trabalho em você, não é preciso controlar e examinar tudo para ver se está dando certo... Aprenda a delegar.

10. Se sentir que está perdendo o ritmo, o fôlego e pintar aquela dor de estômago, não tome logo remédios, estimulantes, energéticos e anti-ácidos. Procure um médico.

11. Não tome calmantes e sedativos de todos os tipos para dormir. Apesar deles agirem rápido e serem baratos, o uso contínuo fazem mal à saúde.

12. E por último, o mais importante: permita-se a ter momentos de oração, meditação, audição de uma boa música e reflexão sobre sua vida.

Isto não é só para crédulos e tolos sensíveis; faz bem à vida e à saúde.


IMPORTANTE: OS ATAQUES DE CORAÇÃO.

Uma nota importante sobre os ataques cardíacos.

Há outros sintomas de ataques cardíacos, além da dor no braço esquerdo.

Há também, como sintomas vulgares, uma dor intensa no queixo, assim como náuseas e suores abundantes.

Pode-se não sentir nunca uma primeira dor no peito, durante um ataque cardíaco.

60% das pessoas que tiveram um ataque cardíaco enquanto dormiam não se levantaram.

Mas a dor no peito pode acordá-lo de um sono profundo.

Se assim for, dissolva imediatamente duas Aspirinas na boca e engula-as com um bocadinho de água. Ligue para Emergência (192, 193 ou 190) e diga ''ataque cardíaco'' e que tomou 2 Aspirinas.

Sente-se numa cadeira ou sofá e force uma tosse, sim forçar a tosse, pois ela fará o coração pegar no tranco; tussa de dois em dois segundos, até chegar o socorro.. NÃO SE DEITE !!!!"

Um cardiologista disse que, se cada pessoa que receber este e-mail, o enviar a 10 pessoas, pode ter a certeza de que se salvará pelo menos uma vida !

COMPARTILHE, NÃO DÓI NADA!!!!!!!!


Por Lumara Diniz.

Texto: Autor desconhecido.

Imagem do texto: Google imagem.




domingo, 5 de outubro de 2014

"Amor á camisa e ás pessoas."

Venho falar hoje de uma grande empresa brasileira conhecida mundialmente, a Dudalina. Eu e meu esposo somos fãs apaixonados e consumidores fiéis da marca Dudalina, Dudalina Feminina, Individual e Base, que compõem o grupo Dudalina. 

Os produtos são de altíssima qualidade deixando homens e mulheres bem vestidos em qualquer ocasião. 

A Dudalina possui uma história linda de empreendedorismo, dedicação, amor e persistência.



Uma marca que nasceu em uma cidade do interior de Santa Catarina, hoje possui uma loja em Milão na Itália, e ganha destaque em matérias de grandes revistas, saits e blog pelo mundo, como a Glamour, Vogue, FFW e blog do Kadu em Estocolmo. 

Seu slogan: “Amor á camisa e ás pessoas”. 

Confira a história da marca. 

"A história da Dudalina é fruto do amor sincero de um jovem casal e do empreendedorismo de vanguardista de uma mulher que, além de mãe zeladora de seus 16 filhos, dedicou-se intensamente no trabalho e deixou sua marca na história da confecção masculina brasileira.” 


Ano de 1947: Um jovem casal apaixonado Duda e Adelina se casa na pequena cidade de Luís Alves, interior de Santa Catarina. Do fruto deste amor nascem 16 filhos. 




Ano de 1953: O casal adquiriu a pequena loja de secos e molhados dos pais de Dona Adelina. Seu Duda se dedicava ao contato com os clientes e cuidava do abastecimento. Dona Adelina cuidava da parte de tecidos, confecções e armarinhos. Diante do alto estoque de tecidos, resultado de uma compra exagerada por Seu Duda em SP, Adelina resolve transformar tudo em camisas. Assim em 03 de maio de 1957, nasce a DUDALINA. 


Ano de 1965: Duda e Adelina adquirem duas lojas em BC. Em uma o atendimento era feito por Duda e os filhos, na outra, Adelina e as filhas. 


Ano de1969: Preocupado com a educação dos filhos, o casal muda-se para Blumenau e inaugura uma nova sede da empresa. 


Ano de 1974: O filho mais velho, Anselmo José, assume a presidência. 

Ano de 1977: Luís Alves Volta a ter uma unidade fabril, para confecção de camisas. 


Ano de 1980: Superação e a marca desse período, quando a empresa, castigada pelas cheias que atingiram o Vale do Itajaí precisou recuperar a fábrica e a autoestima dos colaboradores. 


Ano de 1984: 6 anos após ter trabalhado em outras empresas Sônia retorna a Dudalina assumindo a área comercial e abrindo um escritório de vendas em São Paulo. É inaugurada a nova sede da empresa, no bairro Fortaleza em Blumenau. 


Ano de 1986: A Dudalina amplia seu parque industrial com uma fabrica de confecção de camisas em Presidente Getúlio. 


Ano de 1987: Com o objetivo de atender as necessidades do homem moderno, a Dudalina cria a arca Individual. 


Ano de 1989: Armando Hess de Souza assume a presidência substituindo Anselmo José. 


Ano de 1992: Crescimento e renovação marcaram o período, com um aumento do parque fabril, através de uma unidade na cidade Terra Boa, no Paraná. 


Ano de 1994: A marca Base entra no mercado como um laboratório e franquias e cinco anos mais tarde, são lançados no mercado com um amplo mix de produtos. 


Ano de 1998: Fernando de Barros, maior autoridade em moda masculina do Brasil, associa seu nome á marca Dudalina. É criada a marca Dudalina por Fernando de Barros. 


Ano de 2003: Sônia Hess de Souza assume a presidência da Dudalina. 




Ano de 2004: As ações de responsabilidade social são intensificadas, como também os investimentos em infraestrutura, tecnologia e pessoas. 


Ano de 2005: A Dudalina é uma das precursoras do programa SCMC (Santa Catarina Moda Contemporânea) que integra alunos, professores de moda e empresa com o objetivo de transformar o estado em uma referencia no mercado mundial de moda e design. 

Sônia é homenageada com o Prêmio Claudia - Mulher de Negócios. 


Ano de 2006: A empresa intensifica suas ações sociais em todas as unidades fabris. Torna-se signatária do Pacto Global, uma iniciativa da ONU em favor dos direitos humanos, do trabalho, do meio ambiente e contra a corrupção. 

A Dudalina se lança no varejo, como um modelo de loja exclusiva que reúne as marcas Dudalina, Individual e Base, a Dudalina Concept. 


Ano de 2007: Os 50 anos de história da empresa foram marcados por uma série de comemorações com colaboradores, clientes, fornecedores, acionistas e parceiros. 


Ano de 2008: A Dudalina alcança a marca de mais de 50 milhões de camisas produzidas. Os constantes investimentos em qualidade, conceito e imagem fazem da Dudalina referencia em moda masculina e contemporânea. 

Dona Adelina, fundadora da Dudalina, deixa saudades ao partir. Aos 82 anos de idade teve sua trajetória de vida marcada por empreendedorismo, visão estratégica, disciplina e muito trabalho. Seu exemplo de amor pelo trabalho e pela família pautam as ações da empresa, cujo Slogan é: “Amor á camisa e as pessoas.”




Ano de 2009: A Dudalina inaugura uma nova estrutura para atendimento a clientes e impressa em São Paulo. 

Foco na geração de renda através do Projeto Sacola Social e Sustentável. 


Ano de 2010: Lançamento da Dudalina Feminina: Camisas desenvolvidas para mulheres que decidem. Suas coleções de imediato obtêm alta receptividade do mercado. 

Em novembro é inaugurada um aloja conceito, a Dudalina 595, em São Paulo. 


Ano de 2011: As operações de varejo são fortemente impulsionadas com as lojas Dudalina Feminina e Dudalina com a abertura de 30 lojas, próprias e franquias. 

É aberta mais uma unidade industrial em Blumenau. 

Dudalina recebe Prêmio Empresa Cidadã ADVB/2011. 

Dudalina recebe prêmios Conceito Varejista 2011. 


Dudalina recebe Premio Empresa cidadã ADVB/2012 

A presidente da Dudalina, Sônia Regina Hess de Souza, é reconhecida a personalidade de vendas pela ADVB. A primeira mulher a receber o prêmio em 50 anos. 

Inauguração do Showroom e Shop in Shop Dudalina no centro fashion de Milão, na Itália. 


Ano de 2014: No dia 10 de setembro, a loja Dudalina de Milão completou dois anos. Deixando os italianos apaixonados pela camisaria brasileira. 


É uma empresa que eu admiro, que tenho um enorme carinho e respeito. Com uma história linda, que nos mostra que quando queremos muito uma coisa, com fé, persistência e dedicação conseguimos realizar. Isso em qualquer aspecto de nossas vidas. A oportunidade quem cria somos nós mesmos, basta querer. Não ficar de braços cruzados esperando que as coisas aconteçam sozinhas. E nunca desistir perante os obstáculos, mas fazer deles degraus para a subida rumo ao sucesso. 

Espero que você se inspire com essa história de sucesso, e utilize-a como fonte de motivação para sua vida, seja pessoal ou profissional. 


Sucesso! 



Por Lumara Diniz.

( Administradora, Auditora de qualidade e Blogueira).

Fonte de pesquisa: www.dudalina.com.br

Imagem: Google Imagem.










domingo, 28 de setembro de 2014

10 valores essenciais para a administração de um negócio.

Hoje eu trago um artigo que li ao um tempo no Administradores.com, e achei que pode contribuir para sua reflexão. 

A universidade de Stanford, nos EUA, perguntou a vários ex-alunos de sua Escola de Negócios que conseguiram destaque no mercado quais os valores e princípios mais importantes para eles na carreira que estão trilhando. Abaixo você encontra uma compilação dessas máximas pessoais e profissionais, para se inspirar e relembrar aquilo que é fundamental, dentro da sua própria experiência em administração.

Veja os dez principais valores citados nas respostas.

1. Tratar os outros como queremos ser tratados:

"Eu acredito muito nessa regra de ouro. Ela é o valor dominante nas minhas relações profissionais. Se você trata bem as pessoas, de modo geral elas também lhe tratarão bem. Esse princípio faz com que você durma bem à noite, com uma consciência tranquila, e lhe confere enorme respeito. De vez em quando alguém vai tirar vantagem de você por causa disso, mas é só decidir não trabalhar mais com essa pessoa" (Andy Rachellf - CEO da Wealthfront).

2. Integridade:

"Quer dizer se relacionar com as pessoas de forma autêntica e verdadeira. Na Pagatech nós mantemos as promessas que fazemos a parceiros e clientes, e buscamos fazer o nosso melhor para permanecermos transparentes na forma como conduzimos nossos negócios." (Jay Alabraba - Co-fundador da Pagatech)

"Eu tenho relacionamentos profissinais que já duram 30 anos e a maioria dos negócios que fechei com essas pessoas foi selada com um aperto de mão. Dependendo da pessoa, isso pode valer mais do que qualquer outro contrato." (Bob Moog - CEO da University Games).

3. Ser direto:

"Comigo, o que você vê é o que eu sou. No mundo corporativo norte-americano isso não me favorecia. Como empreendedora, porém, eu gosto de selecionar meus clientes. Eu escolho trabalhar com pessoas que são diretas e que apreciam e valorizam essa minha característica". (Denise Brosseau - CEO da Thought Leadership Lab).

4. Confiança:

"Um dos valores principais da Tiny Prints é o de tratar uns aos outros como família. Quando recrutamos novos funcionários procuramos pessoas que valorizem relacionamentos significativos. Nossa empresa busca criar conexões melhores e o ambiente de trabalho é bastante 'universitário'. Todos que trabalham aqui se tornaram bons amigos, padrinhos e madrinhas, colegas de apartamento. Eles têm lealdade uns para com os outros. Claro que toda família tem seus problemas, mas nós tentamos gerar confiança, para que cada funcionário se sinta à vontade para dar seu feedback, mesmo quando for difícil. Onde há confiança se sabe que as críticas estão vindo com boas intenções". (Laura Ching - Co-fundadora da Tiny Prints).

5. Comunicação aberta e honesta:

"Problemas se espalham quando as equipes não são honestas, especialmente se tratando de times diversificados, onde há muitas opiniões diferentes. Enquanto líder, é preciso criar uma cultura que recompense e promova a honestidade, mesmo que isso gere desacordos. Também é importante ser ousado, especialmente se você é um empreendedor e quer impactar seu país e mudar o mundo. Isso requer coragem." (Steve Poizner - CEO da Empowered Carreers).

6. Gratidão/valorização:

"Todos nós nos sentimos gratos pelos negócios que construímos juntos e pelas oportunidades que temos, por isso trabalhamos para transmitir esse sentimento para os nossos funcionários, clientes e parceiros." (Beth Cross - Fundadora e CEO da Ariat International).

7. Honestidade, simplicidade e fazer algo que você acredita ter um valor real:

"Muitas empresas fazem pesquisas de mercado e tentam se antecipar em conhecer as necessidades do cliente. Eu prefiro simplesmente desenvolver grandes produtos e contar uma história honesta sobre eles. Todo o marketing excessivo no mundo comercial tem criado um desejo por autenticidade." (Rob Forbes - Fundador da Design Within Reach e da Public Bikes).

8. Paixão:

"Eu só quero que as pessoas trabalhem na Stella & Dot se elas sentirem que isso se encaixa em sua missão de vida. A vida é muito curta para não amar o que você faz, o porquê do que você faz e com quem o faz. Quando você acordar precisa se perguntar 'O que eu estou fazendo é o meu melhor propósito? Eu amo o lugar onde moro, quem eu conheço, o meu trabalho?' Muitas vezes fazemos certas coisas porque precisamos pagar as contas ou porque a posição oferecida é uma 'oportunidade'. Eu respeito quem trabalha para pagar as contas, mas quem está nessa situação deve continuar na jornada para fazer isso enquanto trabalha em algo que ama." (Jessica Herrin - Fundadora da Stella & Dot).

9. Transparência e abertura:

"Acredito que você deva compartilhar o que muitos consideram segredos sobre como a empresa realmente está se saindo, inclusive financeiramente, com todos os funcionários, absolutamente. Não deve haver contenção de informações. Também acredito que cada colaborador deva ser encorajado a fazer experimentos rápidos, que falharão com a mesma velocidade. Esses testes mostram as melhores ideias e estas devem prevalecer" James Gutierrez - (Fundador da Progreso Financiero).

10. Trabalhar para fazer diferença no mundo:

"Você pode ver quem tem mais poder numa sociedade observando quem possui os maiores prédios. Há 200 anos eram as catedrais. Há 50 eram os prédios governamentais. Hoje, na maioria das áreas urbanas, o poder está nos negócios e seus arranha-céus. A administração e o empreendorismo são a influência mais forte e poderosa no mundo de hoje. 54 das 100 entidades mais poderosas do mundo atualmente são empresas, não países. Isso significa que é muito mais importante que os empreendimentos adotem uma perspectiva capitalista consciente para fazer a diferença. Eu acredito nisso em nível global. Empresas estão finalmente se perguntando 'qual é a marca ecológica que deixaremos?' Elas também precisam olhar para a marca emocional que deixam em seus funcionários." (Chip Conley - Fundador da rede de hotéis Joie de Vivre).


Para ler as entrevistas na íntegra, acesse a matéria original, no Tumblr da Stanford Business.

Texto: Redação, administradores.com.br, 14 de outubro de 2013.

Imagem do texto: Google Imagem.

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Liderar ou tornar as pessoas iguais a mim?

A maior parte dos líderes iniciantes acredita que a melhor equipe é aquela que se pareça mais com ele, que façam as coisas da maneira que ele faz. Isso está errado! É muito comum o líder tentar fazer com que a sua equipe obtenha as mesmas crenças que ele, mas, não é correto obrigá-los a serem como ele.

Um verdadeiro líder deve conhecer as habilidades, qualidades e competências de cada liderado e extrair o melhor de cada um em favor do ser humano, da equipe e da empresa. Ai você se pergunta: Porque extrair em virtude dessas três coisas?

Ser humano: O líder lidera pessoas e não máquinas, porque as máquinas são controladas e as pessoas possuem sentimentos que geram suas emoções, sonhos e crenças. O líder não está ali para mudar a vida de ninguém. Está ali para contribuir para o desenvolvimento de si mesmo, da sua equipe e da empresa para qual ele trabalha, mas, para que a organização tenha resultados às pessoas com quem o líder convive todos os dias devem se doar e contribuírem ao máximo. Porém, as pessoas só irão fazer isso se aquilo oferecer algum significado e for acrescentar valores as suas vidas. Mesmo quando aquela pessoa não estiver mais naquela empresa, os valores dela vão continuar acompanhando-o onde for. O ser humano necessita de tudo o que viveu, ou seja, aquilo que está moldando o seu caráter para continuar sua jornada. Em palavras mais simples “se o que você estiver ensinando não fizer sentido para a minha vida, em não vou contribuir como você deseja.”

Equipe: Chegamos ao trabalho que visa unir todas as contribuições dos liderados e apresentar resultados positivos, onde se soma tudo aquilo que foi confiado a cada colaborador e se comprova através dos resultados. A equipe só irá produzir bons frutos se ela for cuidada e tratada com dignidade, respeito e receber mais reconhecimento e menos cobranças.

Empresa: Cada organização possui a sua própria filosofia e vai cobrar cada líder por resultados que muitas vezes serão expressivos demais.


Se você ainda não notou, por favor, olhe acima e observe como foram diminuindo consideravelmente as explicações sobre cada uma das três influências do líder. Ser líder não é tornar as pessoas iguais a você, é contribuir para o desenvolvimento humano. Ninguém nasceu para ser igual ao outro ou ter os mesmos resultados. Cada um deve buscar a sua própria felicidade e sonhos de uma forma que se sinta vivo e autêntico.

Por Heverton Soares. (Artigo cedido por ele, parceiro do ADM ABRANGENTE.).


Blog:www.lidercoachgestao.wordpress.com


Imagem do texto: Google Imagem.

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Os imprevistos e as oportunidades de sucesso.

Existe um profissional que admiro bastante, não apenas pela sua competência atual, mas pela busca constante de atualização. Sou amigo dele nas redes sociais e fui brindado por uma experiência que ele relatou. Seu nome é Alexandre Slivnik.

Li o seu relato, que transcrevo na integra abaixo mesmo sem a sua autorização expressa, pensei: isso merece uma reflexão. E é isso que estou fazendo agora.

Espero que você aprecie esse caso sem moderação.

O relato dele é esse:

“Acabou de acontecer algo agora que ficará marcado para sempre na minha vida de palestrante!

Acabei de fazer uma palestra no Congresso de Empreendedorismo do NJE (CIESP). O palco era bem alto (aqueles com mais de 1,5 metro de altura). No meio da palestra recebo um bilhete! Nele estava escrito: "Alexandre, o zíper da sua calça está aberto"! E isso aconteceu bem na hora de uma história que contei que não podemos ter medo de seguir nossa essência!

Depois de segundos pensando o que eu faria, abri para a plateia o conteúdo do bilhete, fechei o zíper e disse: "Pronto! Não podemos ter medo de quem nós somos e de como estamos! O que importa é o que temos dentro de nós mesmos!". O riso foi geral e a plateia aplaudiu o fato!

Depois fiquei completamente solto e seguro que faria uma extraordinária palestra! No final, muitos chorando e todos aplaudindo de pé!

Saio daqui muito satisfeito e, principalmente, com a braguilha fechada!”

Através de relato tão curto pude fazer várias reflexões. Vamos a algumas:

A vida é cheia de imprevistos e com o nosso lado profissional, eles também acontecem. Assim, é importante que estejamos sempre preparados para as várias situações não programadas, as quais somos submetidos rotineiramente.

Quantas vezes faço uma programação para um determinado trabalho e ao iniciá-lo, para me adequar ao que o público está querendo para aquele momento, tenho que fazer alterações ou mudar o foco do trabalho? Sou capaz de apostar que, com você, isso também já aconteceu...

Neste caso, estamos falando de adaptabilidade, mas não é só isso...

O Alexandre mostrou ter domínio do assunto. Sabemos que as pessoas que não estão seguras do que estão apresentando, quase sempre se intitulam de tímidas e qualquer interferência irá comprometer o desenvolvimento da atividade que está sendo realizada.

Evitou cometer outros deslizes tão comuns a alguns profissionais, como por exemplo, subestimar o público com o qual está trabalhando. Qualquer movimento irregular chamaria muito mais a atenção, de forma negativa, do público.

Assumiu a responsabilidade e manteve o foco, e fez um link direto com o que estava apresentando. E, olha, como é fácil perder o foco...

E outra ação simples, mas digna de um mestre transformar um momento que 
poderia ser tenso, em um momento de alegria. Tudo de forma rápida, criativa e 
elegante.

Sabemos que os nossos clientes (que no caso dele era a plateia) estão muito 
exigentes, querem uma qualidade que justifiquem todos os investimentos que 
estão fazendo, seja de tempo, de dinheiro ou de qualquer outra coisa. E nós 
não podemos decepcioná-los.

E, neste momento, eu sugiro que você pare um momento e reflita: qual a relação que posso fazer da atuação do Alexandre com a minha atuação profissional? Estarei eu, preparado para lidar com os imprevistos? Estarei sendo flexível o suficiente? O que estou trazendo para a minha equipe?

Lembre-se que, quando as pessoas se destacam, fazem um trabalho bem feito, servem de referencia, de modelo. O Alexandre, por exemplo, e como eu disse no inicio deste artigo, não sabe sequer que eu estou escrevendo sobre ele. 

Essa é a melhor propaganda: a espontânea. E isso, todo mundo quer, não é 
verdade?

Então, já que na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma(como afirmava Antoine Lavoisier), aproveite esse exemplo: faça a sua parte: transforme a sua realidade. Se prepare, aja e seja feliz.


Por Odilon Medeiros, (parceiro do Adm Abrangente).

Odilon Medeiros - É consultor em gestão de pessoas, palestrante, professor universitário, mestre em Administração, especialista em Psicologia Organizacional, pós-graduado em Gestão de Equipes, MBA em vendas.
Contato: odilon_medeiros@yahoo.com.br ou om@odilonmedeiros.com.br

Fone: (**81) 9991-7056/ 8256-1942.

Sait: www.odilonmedeiros.com.br








Imagem do texto: Google Imagem.


terça-feira, 26 de agosto de 2014

Proatividade na demissão é uma solução!


Através das minhas reflexões busco temas para escrever considerando o 
aspecto da relevância deles para as pessoas, mesmo que, algumas vezes, 
esses temas não sejam simpáticos.

O que vou abordar agora é um deles. Observei que existem muitas e muitas 
informações sobre como o gestor deve demitir um colaborador, como elaborar 
um programa de demissão voluntária e até mesmo como elaborar uma carta de demissão. Mas, alguém já leu algo sobre preparação para demissão por parte do colaborador? 

E por que será que há essa carência de informações? Será que é uma 
negação ao fato? Será que é por entendermos que é algo distante e que nunca acontecerá conosco? Você pensou sobre isso? Não? Ótimo. Vamos refletir juntos. 

Juntas. É assim que devem andar a nossa emoção e a nossa razão. Tudo em 
perfeita harmonia. Inclusive quando estamos nos referindo a nossa vida 
profissional e também com relação à demissão. 

O psicólogo israelita-americano, ganhador do Nobel de Economia de 2002 e 
autor do Best seller “Rápido e devagar, Duas formas de pensar", Daniel Kahneman, afirma que emoções como o medo, o afeto ou o ódio explicam, na maior parte dos casos, por que as pessoas se afastam da racionalidade. 

Assim, pergunto: será que o medo da demissão afasta as pessoas de pensarem sobre a possibilidade de serem demitidas? É claro que o pensar não vai nem atrair e nem afastar a demissão, não é mesmo? 

Racionalmente falando todas as pessoas que fazem parte de qualquer instituição estão propensas a serem demitidas. E isso em qualquer tipo de atividade que seja desenvolvida pela empresa ou da função e da hierarquia do profissional (a exceção se aplica apenas a alguns servidores públicos). Logo, precisamos encarar o fato de frente. 

Emocionalmente falando não estou sendo pessimista e tampouco desejando 
que isso ocorra. Estou apenas desejando que você atue de forma proativa e 
não de forma reativa, para evitar surpresas desagradáveis. 

Outro dia, por exemplo, estive conversando com uma pessoa que fazia parte 
de uma grande empresa que estava passando por uma forte reestruturação e 
isso implicava na dispensa de vários colaboradores. E era dela a responsabilidade de fazer os desligamentos. O que ela não contava era que 
também iria fazer parte do time dos demitidos e ao saber da notícia, sofreu um desmaio. Ela deve ter pensado por muito tempo: “Isso jamais vai acontecer comigo!” até que, inesperadamente, o fatídico dia chegou.

Para viver bem com essa realidade, faço algumas provocações que poderão fazer com que você quebre alguns paradigmas. Vamos lá? 

- Se você foi desligado, há um forte indício de que não está se adaptando ao 
que a empresa espera e não que você é, necessariamente, incompetente. 

- Uma demissão, em vez de ser o fim do mundo, poderá ser uma oportunidade imensa de crescimento pessoal e profissional. 

- Tudo que acontece nas nossas vidas nos trás pelo menos uma lição. Se você foi demitido, o que aprendeu com a situação vivida?

- Lembre-se do que diz Jack Welch: "até um pé no traseiro te empurra para 
frente". 

Sabemos que um dos principais requisitos para o profissional de sucesso é a 
proatividade. Então precisamos ser proativos também nos aspectos que se 
referem à nossa carreira. Lembre-se que o principal responsável pela sua 
empregabilidade, é você mesmo. 

Assim, recomendo que você faça um plano de ação para que a demissão não o surpreenda. 

Para desenvolver esse plano, saiba que as principais causas de demissão são: falta de comprometimento e de integração com a equipe, conflitos com o líder,atrasos e faltas, problemas de comunicação além de críticas, mentiras, fofocas e quebra de sigilo, baixa performance, consumo de álcool e outras drogas, não seguir regimento interno, não saber administrar os problemas pessoais, comportamento não condizente com o ambiente, etc. 

Neste cenário, pergunto: qual a avaliação que você faz sobre a sua performance e como estão sendo os feedbacks que você está recebendo sobre aqueles aspectos? 

Fique atento. Algo precisa mudar? Pergunto ainda: a empresa está passando por alguma reestruturação? De qual forma isso pode atingir você ou a função que você desenvolve? 

Procure analisar o mercado onde você atua ou onde deseja atuar. Quais as 
competências que estão sendo exigidas? Você já as possui? O seu currículo 
está coerente com essas exigências? 

Com base nestas informações, elabore um plano de ação e o execute. Se você não ganhar nada, nada perderá. Assim, se prepare, aja e seja feliz. 


Por Odilon Medeiros, (parceiro do Adm Abrangente).


Odilon Medeiros - É consultor em gestão de pessoas, palestrante, professor 
universitário, mestre em Administração, especialista em Psicologia 
Organizacional, pós-graduado em Gestão de Equipes, MBA em vendas

Contato: odilon_medeiros@yahoo.com.br ou om@odilonmedeiros.com.br 

Fone: (**81) 9991-7056/ 8256-1942.

Sait: www.odilonmedeiros.com.br 










Imagem do texto: Google imagem.

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Quando o nome é menor que o Potencial

Muitas vezes as pessoas são facilmente julgadas e condenadas apenas pela aparência, pelo modo como caminham ou até mesmo pela figuração do seu rosto. Quem faz isso pode estar privando o mundo de um grande talento...

Todas as pessoas possuem sentimentos e problemas, que em muitos casos acabam interferindo diretamente no seu estado emocional e psicológico. Isso comprova que, mesmo quando você ver uma pessoa cabisbaixa e produzindo pouco, não significa que ela é incompetente ou tenha dificuldade de aprendizado. Afinal, desde quando aparência é garantia de sucesso? E se aquela pessoa tiver o “nome menor que o POTENCIAL?”

Observe como é o primeiro dia em uma nova empresa... você chega para trabalhar ver todos os antigos colaboradores conversando, sorrindo e com uma “certa intimidade.” Ficamos esperando alguém vir até nós fazer uma apresentação, recebemos as normas da organização e treinamento, entretanto, a forma como estivermos já no primeiro dia pode levantar uma série de discussões a nosso respeito.

Se nós somos pessoas comunicativas e dinâmicas, se temos facilidade para pegarmos rápido ás coisas, quem nos indicou e qual a nossa perspectiva quanto à empresa. Agora imagine uma pessoa “mais acanhada” que não tem aquela disposição de chegar e sair sorrindo e apertando a mão de todo mundo?

A diferença está em como somos julgados, se a pessoa que julga é compreensiva ou não. Porque é muito fácil desligar um colaborador que não conseguiu ainda produzir e dar bons resultados, mas, compreender o porquê disso é atitude de um líder e não de um chefe. Se este colaborador tiver um “chefe” com certeza será desligado da empresa, mas, se tiver um Líder... terá a oportunidade de mostrar qual é a sua real capacidade.

Algumas pessoas necessitam de mais tempo que as outras para adquirirem confiança e darem resultado. “Quando se tem o nome menor que o POTENCIAL se é julgado e condenado apenas por ser quem é.”

É necessário dar um tempo maior para algumas pessoas sentirem-se a vontades e confiantes e colocarem para fora tudo que está dentro delas.

“A verdadeira capacidade do ser humano estar na sua vontade de seguir em frente e não na sua aparecia, a verdadeira força vem de dentro.”

(Artigo inspirado no hino Final da História de Amanda Ferrari.)

Por Heverton Soares. (Artigo cedido por ele, parceiro do ADM ABRANGENTE.).

Blog:www.lidercoachgestao.wordpress.com


Imagem: Google Imagem.

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Assumir responsabilidades não é pecado!

Recentemente foi contratado para realizar um trabalho junto aos restaurantes de uma determinada cidade do interior, que por sinal, eu não a conhecia. 


Ao visitar a primeira empresa, notei que o movimento de clientes era bem pequeno, deixando boa parte do ambiente vazio de pessoas. E ao conversar com o gestor do estabelecimento, ele culpou todo mundo pelo fraco desempenho do seu restaurante. Expressões do tipo: “O povo desta cidade não valoriza as coisas da terra”, “o povo não gosta do que é bom” foram citadas várias vezes. Até mesmo o prefeito foi culpado pelo desempenho ruim da empresa. 

Ao terminar a visita, para dar continuidade ao trabalho, precisaria visitar a próxima empresa que ficava a apenas alguns poucos metros de onde eu estava. Para surpresa minha, o restaurante estava lotado e com algumas pessoas esperando o atendimento. Aqui vale um esclarecimento: ambos os estabelecimentos, além de estarem bem próximos, atuavam com o mesmo sistema e até o valor cobrado era o mesmo. 

Antes de me apresentar, fiquei observando a dinâmica do lugar e, de imediato um fato me chamou a atenção: a gestora mantinha contato direto e constante com os clientes. Ela procurava saber se o tempero estava no ponto, se o cliente estava satisfeito, se eles tinham sugestões de pratos e de sobremesas e até mesmo, em um ato de total personalização do atendimento, comentando com alguns clientes que estava percebendo a falta deles, procurando saber se era algo relacionado à satisfação deles com o seu estabelecimento. 

E então? Já é possível entender por que um faz sucesso e outro não? Pelo atendimento apenas? Não. O bom atendimento é uma consequência de a gestora ter assumido a responsabilidade por fazer o seu cliente se sentir valorizado e transformar o empreendimento em um exemplo de sucesso. Ou 
seja: ela foi além. E “ir além” é o que se espera das pessoas atualmente, tanto na vida pessoal como na profissional. 

A professora Rosabeth Moss Kanter da Harvard Business School, nos EUA, apresenta um exemplo bem interessante que facilita ao entendimento sobre a ampliação (ou o “ir além”) da responsabilidade que estamos discutindo. Ela afirma que o tão comum ato de vender um cafezinho exige muito mais conhecimento do que apenas saber como preparar e servir a tão apreciada bebida. Além disso, é necessário saber: Onde foi cultivado o grão? Em que condições de trabalho, com que pesticidas? O copo é de papel reciclado? 

Quantas árvores foram derrubadas e quanta água foi usada para fabricá-lo? A tampa de plástico solta toxinas? E fecha bem o suficiente para que a bebida não derrame e queime a pessoa que o consome? 

Serão detalhes banais? Não creio, afinal as consequências imediatas ou 
futuras deverão ser da responsabilidade de quem vende o produto. Legal ou 
moralmente falando. 

E assumindo a responsabilidade, o profissional gera credibilidade e mais 
chances de sucesso em qualquer tipo de projeto. Aliás, o poeta Augusto 
Branco já dizia que o sucesso acompanha quem assume a responsabilidade 
por si próprio, quem faz a própria vida - quem não espera, mas faz acontecer. 

Na prática e nos exemplos citados no início desta reflexão, em um deles, vimos alguém que só reclama, que não assume a responsabilidade por si próprio e não obtém sucesso. Os motivos para que isso ocorra podem ser os mais diversos: negação a si mesmo? Não se perceber? Não se reconhecer? Fugir da realidade? Falta de informação técnica? E a relação de possibilidades não acaba aqui. 

Entretanto, independentemente do motivo, algo não pode continuar: insistir em um erro. 

Se o gestor (do projeto, do negócio ou da própria carreira) percebe que algo 
não está da maneira que ele gostaria que estivesse acontecendo, o 
recomendado é que, assuma a responsabilidade sobre a mudança ou sobre as 
consequências. Se não está conseguindo fazer por conta própria, que procure 
ajuda de um especialista. Ele, seguramente, poderá ajudar. 

É claro que é muito mais fácil culpar o outro pelo próprio insucesso. Mas é 
importante ter consciência que essa ação não vai ajudar em nada. Para mudar o cenário é necessário agir. 

E você? Como tem lidado com as suas responsabilidades? As tem assumido? 
Pare um pouco e faça uma reflexão sobre o seu comportamento (assuma a 
responsabilidade sobre isso também). E depois, desfrute dos resultados 
positivos. 

Pense nisso. Aja e seja feliz.

Por Odilon Medeiros, (parceiro do Adm Abrangente).

Odilon Medeiros  - É consultor em gestão de pessoas, palestrante, professor 
universitário, mestre em Administração, especialista em Psicologia 
Organizacional, pós-graduado em Gestão de Equipes, MBA em vendas
Contato: odilon_medeiros@yahoo.com.br ou om@odilonmedeiros.com.br 


Fone: (**81) 9991-7056/ 8256-1942.

Sait: www.odilonmedeiros.com.br 

Imagem do Texto: Google Imagem.






quinta-feira, 3 de julho de 2014

Não existe resultado positivo quando não se confia no líder.

Por muitas vezes vemos equipes formadas por bons profissionais não atingirem as metas traçadas pela empresa, mas, se as pessoas que compõem a equipe são bem qualificadas. Onde estaria o erro?

O problema pode estar nada falta de confiança no líder, as pessoas mais observadoras podem notar insegurança do líder até mesmo pelo modo dele falar ou se comportar. A falha na comunicação é uma grande causadora de problemas entre líder e liderados. Tudo depende de como o líder interage com seus subordinados.

O líder não pode dar uma instrução para a sua equipe e antes mesmo do cumprimento dela, mudar o que pediu afirmando que do jeito que foi dito não dará certo e que ele teve uma idéia melhor. Isso demonstra que o líder não tem certeza do fala ou faz. Como acreditar em alguém que não confia em si mesmo?

Existem situações em que o líder delega uma tarefa e depois pergunta a sua equipe: O que foi mesmo que eu pedir para vocês fazerem? Se quem está instruindo não se lembra o que disse, como poderá cobrar seus subordinados por resultados positivos?

Agora observe um líder que fala sobre a importância da disciplina na organização e regulamento interno, mas não cumpre o diz. Exemplo: alerta sobre horário, mais ele mesmo chega atrasado.

Outro fator que contribui para que os liderados percam a confiança no seu líder, é saber que receberam uma tarefa do seu superior e o mesmo, pediu outra pessoa fazer à mesma coisa, porque não confiou que eles teriam êxito no que lhes pedido.

Concluímos que a falta de confiança de quem delega uma tarefa em si mesmo ou na equipe, gera um desconforto seguido de insegurança dos liderados no líder. Quando não se tem confiança em quem delega as tarefas, não tem como acreditar que aquilo que foram instruídos para fazer, terá resultados positivos.

Por Heverton Soares. (Artigo cedido por ele, parceiro do ADM ABRANGENTE.).

Blog:www.lidercoachgestao.wordpress.com


Imagem do texto: Google imagem.

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Livro: Líder a serviço, 5 ações que transformarão sua equipe, sua empresa e sua comunidade.

Hoje eu venho falar de um livro que finalizei recentemente. Chama-se "Líder a serviço, 5 ações que transformarão sua equipe, sua empresa e sua comunidade."Autores Kin Jennings e John Stahl - Wert, Editora Best Seller.

Esse livro é ótimo! Através de uma parábola, ele nos ensina todos os princípios básicos de liderança a serviço.

Como descrito no livro: "Num período de crescente preocupação com a ética em altas hierarquias, Líder a serviço apresenta uma abordagem de liderança mais moral e mais eficaz que a postura impiedosa do lucro a qualquer custo, que tem causado prejuízos a muitas organizações poderosas."

Com esse livro, pude manter o conceito que tenho sobre liderança, de que líder que é líder, tem que ter humanidade, ser gentil, sem deixar que percam o respeito. Dividir os méritos com a equipe. Reconhecer o que cada um faz. Não dizer "eu quem fiz", mas sim, nós fizemos, quando algo for feito também pela sua equipe. Passando o seu conhecimento para os demais, e que esteja aberto a aprender também. 

E para finalizar, líder que é líder de verdade, tem que servir, motivar, inspirar pessoas. Como diz no livro, inverter a piramide. 

Todo líder deveria ser um líder a serviço, transformador de pessoas.

Deixo abaixo algumas frases do livro:

  • Um líder a serviço tem um modo de ajudar todos a obterem êxito. Quase sempre antes de reconhecermos um líder a serviço, percebemos esta característica, as pessoas ao seu redor são florescentes".

  • "Tornar o seu conhecimento algo que possa ser ensinado. Tornar alguma coisa que possa ser aprendido."

  • "Os lídres a serviço invertem a pirâmide. Você se habilita a ser o número um, colocando os outros em primeiro lugar."

  • Um lider tem como serviço "desbravar caminhos". Uma vez que um líder a  serviço deve tanto ensinar, quanto remover obstáculos para que os outros possam percorrer o caminho que eles abriram."

Ficou com vontade de ler mais? Então leia o livro. Ou se você já leu o livro, conte-nos o que achou.



Por Lumara Diniz.
CRA-RJ/CEE: 00-20708.

Imagem: Google Imagem.




Share

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More